13/09/2017 09:48:20 - Atualizado em 13/09/2017 09:49:32 por VerÔnica mattos


Violência e medo

 

Na série “NARCOS”- disponível na rede digital, esta série retrata o rentável negócio das drogas, incrustado na elite empresarial, jurídica e política da Colômbia, um país tão desigual e injusto quando o Brasil. Na terra da jabuticaba, a violência urbana mata 60 mil pessoas por ano e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública contabiliza mais de 1 milhão de homicídios desde 1980. Somos um país com pouca confiança nas instituições e aversão à violência policial.

Nesse contexto, a violência urbana se torna um tema urgente, pela conturbação das cidades, crescimento desordenado e favelização de parte da força de trabalho que cria riqueza na sociedade. Também no Brasil, como retrata a novela global de maior audiência na atualidade, a violência ligada ao tráfico de drogas é econômica e mata muitos jovens. A luta constante – uma espécie de guerra aberta e interminável não interessa a maioria da sociedade.

Desmontar esse nó requer decisão política, retomada da economia como forma de oferecer empregos rentáveis para a juventude, fora da marginalidade, oferecimento de serviços públicos de qualidade ( habitação, saúde, educação, lazer), combate radical da pobreza e da desigualdade, pagamento adequado para o aparato policial e investimento em inteligência.

O desafio no tempo presente com que se deparam as elites dirigentes é que um dos efeitos da modernização tecnológica é a mudança no modelo do trabalho, em que os empregos fixos e estáveis são substituídos por ocupações de curta duração e menor garantia de renda direta e indireta. Isso retira também recursos fiscais dos orçamentos públicos dificultando a geração de políticas públicas comunitárias de segurança pública.

Preso dentro de casa o cidadão comum vive tempos de perplexidade.

                                                                                   Ranulfo Vidigal – economista.