14/09/2017 10:37:04 - Atualizado em 14/09/2017 10:38:21 por VerÔnica mattos


Pedro, Pilatos e Nós

 

As últimas horas de vida terrena de Jesus não foram fáceis. Ele foi preso e antes de ser crucificado, passou por 6 julgamentos.
Durante o primeiro julgamento, a Bíblia diz que Pedro afirmou por 3 vezes que não conhecia a Jesus. Já durante o último julgamento, a Bíblia diz que Pilatos declarou publicamente por 3 vezes que Jesus era inocente.

Tanto Pedro quanto Pilatos sabiam da verdade e do que deviam fazer, mas ambos foram covardes e não tiveram coragem suficiente para agir de acordo com suas convicções. Pecaram, pois a Bíblia afirma que aquele que sabe o bem que deve fazer, e não o faz, comete pecado (Tg 4.17). Erraram, porque não foram sinceros consigo mesmos, já que pensavam de um jeito e agiram de outro.

Pedro temia ser preso e morto junto com Jesus. Pilatos temia ser criticado pelo povo e perder a sua posição de governador. O medo foi maior do que a fé. A atitude de ambos machucou o coração de Jesus.

Assim agiram Pedro e Pilatos. É assim que agimos nós?

Será que já nos envergonhamos de assumir quem nós somos? Será que num momento negamos que andamos com Jesus? Será que numa ocasião agimos de modo errado apenas para agradar as pessoas?

Jesus espera que jamais nos envergonhemos dEle. Ele não teve vergonha de nos amar e de morrer a humilhante morte de cruz em nosso lugar. Ele mesmo disse que no dia do Juízo terá vergonha de quem se envergonhar dEle aqui na Terra e reconhecerá aquele que O reconhecer aqui.

Que ao olharmos para Pedro e Pilatos, possamos agir de modo diferente. Vamos conhecer a Jesus. Saber quem Ele é. E não ter vergonha ou medo de agir de acordo com a nossa fé. Não adianta crer de uma forma e agir de outra, pois a fé sem obras é morta (Tg 2.26).

Que possamos nos unir a Paulo e dizer: Não me envergonho do evangelho de Cristo, porque ele é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê (Rm 1.16).
                                                                                       Pr. Josué de Siqueira